URBANA CIDADE - Canto Negro

URBANA CIDADE

URBANA CIDADE

Urbana cidade que a tudo consome,

pedra sobre pedra, margeando o asfalto negro,

Segue sem identidade, sem nome.

Sua imponência é desassossego.

Seu frenético vai e vem, é estase,

seu raro silêncio é aconchego.

Quando a noite lhe cobre com negro véu,

a luz das janelas e postes faz contraponto

à fumaça que ofusca as estrelas no céu.

Ébria com tamanho encanto baila loucamente,

Até que o corpo exaurido de toda energia,

Cai adormecido, enquanto lentamente à noite.

Apaga-se sob a suave luz do dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: conteúdo protegido!