HOSANA A GUERREIRA

TRAJETÓRIA DE UMA GUERREIRA

Poderia ser apenas mais um ensaio fotográfico, não fosse a rica história daquela mulher que observava através da objetiva de minha câmera.

Naquele momento percebi que estava diante de mais um desafio.

Conheci Hosana em minhas visitas à Roda de Samba de Terreiro de Mauá, uma Roda onde a presença feminina presta sua rica colaboração ao nosso velho e bom samba.

Já havíamos conversado previamente e eu sabia que estava diante de alguém que trazia na alma um universo de experiências que por vezes se exteriorizam em sua fala, em seu olhar e nas suas expressões. Não se tratava de mais uma simpatizante dos movimentos de samba de terreiro, não era apenas alguém que carregava orgulhosamente o estandarte de seu bloco, não era simplesmente uma mulher. Estava diante de uma Guerreira, uma fortaleza, uma mulher que como tantas outras de seu tempo, negra, filha de família pobre e periférica, cresce aprendendo a conviver com seus conflitos interiores.

Na adolescência Hosana passa a se interessar pela música e pela dança, passando a viver uma relação conflitante com a formação religiosa que a mãe tentava lhe incutir. Hosana tentava encontrar amparo no pai que tinha por ela um especial carinho, mas que não se materializava em razão seu jeito rude e machista, comum aos homens de seu tempo e assim a jovem Hosana seguia lutando com seus fantasmas interiores.

Amante da música e a dança, aos doze anos já participava das alas de passo marcado das Escolas de Samba das vizinhanças.

O tempo passou e a doce menina se tornou uma jovem vistosa que encantava os rapazes dos ambientes que frequentava.  Não tardou a ter pretendentes ao namoro e como não poderia deixar de ser, seu coração se entregou a um jovem felizardo. Assim a doce menina se transforma em uma jovem mulher que em breve descobre o sublime dom da maternidade, com todas transformações e emoções que se são peculiares.

Um novo e longo período se inicia, novas rotinas se estabelecem, angustias surgem, medos anseios, dificuldades econômicas…

Se mulheres maduras e experientes sucumbem diante deste cenário, o que esperar de alguém que ainda esta por se descobrir para vida.

Inserida em um mundo conservador e machista, Hosana não tardou em sofrer a dor da violência doméstica com todas suas sequelas.

Em meio a um turbilhão de dificuldades, dores e paixões a maturidade vai cumprindo seu papel. Quanto mais dolorosa a experiência, mais rico o aprendizado, em especial quando encontra solo fértil, coração meigo e mente aberta.

O tempo, sagrado balsamo para as feridas da vida, paulatinamente foi cicatrizando as chagas e moldando uma nova mulher.

Em 2003 a nova Hosana teve a oportunidade de conhecer o Samba de Terreiro de Mauá, ocasião em que conhece as futuras amigas Marlene, Didi e Kelly, nasce aí seu interesse pelo samba de terreiro, do qual não mais se apartou.

Em meio a revolução que se estabelecia positivamente em sua vida, Hosana é convidada a estudar os manuscritos de Karl Marx, estudos que lhe possibilitaram aprimorar seu olhar pelo social.

Ao mixar aprendizado dos manuscritos de Marx com as obras dos grandes mestres do samba de terreiro, Hosana passa a promover uma grande transformação interior.

Hoje Hosana Meira Silva, formada em Ciência Sociais pela Fundação Santo André divide seu tempo entre seu trabalho como socióloga, militante, sambista e ainda cobre de atenção e carinho seus quatro filhos Jaqueline, Lucas, Pedro e Julia.

14 comentário(s)

Que riqueza Osmar, ver a nossa querida amiga pelas suas lentes, que sensibilidade. Hosana você é inspiradora e mulher de potências, a admiro e é sempre um prazer encontrá-la. Bjs e abraços fraternos!

Que show de arte!!!!! Parabéns Osmar pelo seu trabalho e sensibilidade!!! Parabéns Hosana, pela sua história e por ser quem você é!!!
Linda!!! Guerreira!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: conteúdo protegido!